Centenário Sophia

Centenário Sophia

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu a 6 de novembro 1919 no Porto, onde passou a infância.
Foi mãe de cinco filhos, para quem começou a escrever contos infantis. Os seus textos para crianças rapidamente se tornaram clássicos da literatura infantil, marcando sucessivas gerações de leitores, com títulos como A Menina do Mar, O Cavaleiro da Dinamarca, A Fada Oriana, O Rapaz de Bronze, entre outros.
Além da literatura infantil, Sophia escreveu também contos, artigos, ensaios e teatro. Traduziu Eurípedes, Shakespeare, Claudel, Dante e, para o francês, alguns poetas portugueses.
A sua obra está traduzida em várias línguas e foi várias vezes premiada; recebeu, entre muitos outros, o Prémio Camões 1999, tendo sido a primeira mulher portuguesa a recebê-lo.
Com uma linguagem poética quase transparente e íntima, ao mesmo tempo ancorada nos antigos mitos clássicos, Sophia evoca nos seus versos os objetos, as coisas, os seres, os tempos, os mares, os dias.

Em termos cívicos, a escritora caracterizou-se por uma atitude interventiva, tendo denunciado ativamente o regime salazarista e os seus seguidores. Apoiou a candidatura do general Humberto Delgado e fez parte dos movimentos católicos contra o antigo regime, tendo sido um dos subscritores da "Carta dos 101 Católicos" contra a guerra colonial e o apoio da Igreja Católica à política de Salazar. Foi ainda fundadora e membro da Comissão Nacional de Apoio aos Presos Políticos. Após o 25 de Abril, foi eleita para a Assembleia Constituinte, em 1975, pelo círculo do Porto, numa lista do Partido Socialista. Foi também público o seu apoio à independência de Timor-Leste, consagrada em 2002.
Faleceu a 2 de julho de 2004, em Lisboa. Dez anos depois, em 2014, foram-lhe concedidas honras de Estado e os seus restos mortais foram trasladados para o Panteão Nacional.

Ver aqui , ver mais e mais
 

Para saber mais sobre Sophia

Cerimónia de Concessão de Honras de Panteão Nacional a Sophia de Mello Breyner Andresen

Em defesa da cultura. O texto que Sophia escreveu para o Expresso - "A cultura é cara, a incultura é mais cara ainda”
 

LIBERDADE CULTURAL (1975)
O tema da liberdade cultural está presente nos debates da Assembleia Constituinte de 1975-1976, em particular na questão relativa à intervenção do Estado na programação ideológica da cultura
 

Próximas Atividades

Sem eventos

Plano Anual de Atividades

Revista "Sacola"

1º período (dez. 2018)

2º período (março 2019)

3º período (junho 2019)

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
BilerChildrenLeg og SpilAutobranchen